Curso Introdução à construção de Barcos, 10 e 11 de Março 2018

Ganhe confiança para escolher projetos e realizar a construção!


Alunos trabalhando no Yakyak 425 (Foto Marcelo Manfrini)
Veja o álbum de nosso curso anterior https://www.facebook.com/estaleirooficina/posts/859646484196087

Aprenda os fundamentos para construção de barcos. Vamos vivenciar a construção do barco de expedições a remo de 6 metros Fairhaven Flyer, do projetista Sam Devlin, de compensado naval, e laminado com fibra de vidro, leitura de plantas, uso de resina epoxi, reforços em fibra de vidro e diiversos tópicos cobertos pelo professor Ricardo Ramalho. Teremos a participação especial de Ricardo Lancellotti explicando o método cold molded de proas complexas.

Sábado e domingo dia 10 e 11  de Março d
as 10h às 17 horas

Inscreva-se pelo email artistaramalho@gmail.com

Local: Estaleiro Estaleiro Oficina 

rua Dr Tomas Catunda, 11 ,  CEP 05029-10

Acompanhe a montagem avançada do primeiro protótipo do caiaque a vela e remos Yakyak 425, projetado por Jérôme DelauneySaiba mais sobre este barco na página do modelo.


Fairhaven Flyer, 20', Devlin Design
Estudaremos vários outros projetos de barcos e suas técnicas. Catamarans grandes e pequenos, Multichine 28, Nauti 575, Jonsboat, Dingue Andorinha, Houseboats.

Os alunos vão receber 4 apostilas que totalizam 8 páginas de material elaborado pelo professor do curso:
 - Apostila: 20 Projetistas e Mais de 35 Links para Construção de Barcos.
- Apostila: Uso do Epoxi e Materiais Estruturantes
- Apostila: Equipamentos e Ferramentas para Construção de Barcos
- Apostila: Dicas e Passo a Passo para Construção de Barcos

Nosso nutshell Pram, da Wooden Boat Store

14 horas de curso: 2 horas online com estudo de materiais por escrito e links e 12 horas presenciais em dois dias no bairro Vila Anglo (Alto da Lapa, próximo ao Metro Vila Madalena), São Paulo, SP.


Objetivos do curso
- Vivenciar a montagem de um barco de expedições a remo Fairhaven Flyer, de Sam Devlin.
- Estudar a construção do Nutshel Pram.
- Estudar a construção do caiaque Yakyak 425
- Estudar as plantas e vantagens do projeto Nauti 575! Projeto sendo comercializado por nós, veja o link!
- Restauro de embarcações de madeira.
Yakyak 425 caiaque para 2 pessoas
- Transmitir conhecimentos básicos sobre design de barcos.
- Uso de diversos equipamentos de marcenaria: plaina elétrica, serra circular, lixadeira roto-orbital, multi-ferramenta, lixadeira politriz, serra tico-tico.
- Analisar diversas plantas originais de barcos e sistemas de construção.
- Considerações sobre a escolha do seu futuro barco.
- Demonstrar uso de resinas epoxi, marcação de chapas, fixação de peças, espessantes do epoxi e uso da fibra de vidro, lixa, maquinários e equipamentos de segurança.
- Laminação de fibra de vidro.
- Estudo sobre design de embarcações.
Barcos pequenos saem pela janela :)


Investimento: valor promocional de inauguração da nova sede
R$ 490. Por depósito bancário, Itau ag 0745, conta 37861-2

Condições para desistência do curso após o pagamento estão neste link https://estaleirooficina.blogspot.com/2018/02/blog-post.html

Realização:
Estaleiro Oficina


Professor:
Ricardo Ramalho
artista plástico, navegador, construtor e fundador do Estaleiro Oficina

Participação especial:
Ricardo Lancellotti
músico, construtor, colaborador do Estaleiro GP e sócio do Estaleiro Oficina

Vamos bater altos papos sobre projetos de barcos!
Inscrições pelo email artistaramalho@gmail.com


Sequência de montagem do Yakyak 425

Como escolher um barco para construir?

Essa é uma dúvida que atormenta muitos construtores de barcos. Dúvida que pode durar anos. Ja até publicamos um artigo sobre a "falsa dúvida de qual barco construir". Muitas vezes a dúvida é um pretexto para não construir. Outras vezes falta espírito empreendedor. Também publicamos um artigo sobre a "superação psicológica para construir barcos".

Os barcos a vela são o sonho da maioria dos construtores, mas barcos a motor também podem ser uma alternativa interessante.
Surf Scoter 22 de Sam Devlin

Algumas dúvidas podemos eliminar logo de cara.

1) Que material devo usar? Madeira, fibra de vidro, espuma, ou aço?
Construa de madeira (compensado naval revestido de epoxi e fibra de vidro). Este material é consensual entre todos os projetistas internacionais. Barco de aço só vale a pena para grandes projetos, ou seja, são barcos caros, e a manutenção do aço requer alguma constância. Barcos 100% fibra só valem a pena para produção em série, porque requerem um molde que é tão complicado de fazer quanto o próprio barco. Espuma só vale a pena para barcos de alta performance (caros) e a construção é complicada, exige laminação por dentro e por fora com fibra de vidro (barco de madeira em geral só lamina por fora, deixando uma bela madeira aparente por dentro). Observando os sites de projetos vemos como os barcos de madeira e epoxi dominam o mercado de construção amadora, garantindo facilidade técnica, beleza e longevidade.

Multichine 28 não sai por menos de US$ 50 mil (Design R Barros)
2) Ok, barco de madeira: strip plank, plank on frame, stich and glue ou multichine?
O plank on frame é muito comum (placa sobre estrutura), é feita uma estrutura de madeira e as chapas de compensado naval são coladas na estrutura. Os multichines em geral são plank on frame. Também existem muitos projetos singlechine deste método. O stich and glue é muito prático, os costados e fundo são recortados no formato do projeto e são costurados e colados com epoxi, ja definindo o formato do casco, os reforços são adicionados à casca, o mobiliário faz parte da estrutura.
O strip plank permite cascos redondos, é um método antigo, e demanda a fresa de perfis estreitos de madeira que são colados um sobre os outros acompanhando as anteparas. Requer que seja enfibrado por fora e por dentro. Os projetos de cascos totalmente redondos para barcos a vela estão sendo substituídos por modelos mais modernos, mais planantes, multichine ou single chine.

3) Barco a motor ou vela?
Cada dúvida poderia gerar um livro, e esta dúvida é uma delas. Vela é um esporte, barco a motor nem sempre. Dizem que o barco a motor te leva a algum lugar, enquanto no barco a vela você ja está onde quer estar. Um barco a vela pequeno é mais barato do que um barco a motor pequeno. Na faixa dos 25 pés, um barco a vela pode ser mais caro do que um barco a motor, porque velas, mastros e catracas custam caro e o barco a vela também precisa de motor. Um barco deslocante a motor, tipo uma traineira, pode ser muito barato de construir, porque a motorização é pequena. O custo varia muito de acordo com o projeto. Alguns navegantes ja chegaram a conclusão que o barco a motor é mais prático e barato para travessias, mesmo com o consumo maior de diesel. Outros curtem o esporte da travessia sem motor, só na vela. Tudo é uma questão de gosto pessoal e interesses. Os houseboats por exemplo, são barcos a motor, muito bons para morar a bordo. Pequenos barcos a vela podem trazer muita alegria e uma boa cultura náutica.

4) Onde você vai guardar o barco depois de pronto?
Entramos no terreno do "boat ownership" ou propriedade de barco. Manter o barco custa mensalidade em marina. Quanto custa a marina onde você vai deixar o barco? Pretende rebocar e guardar em casa? Qual o tamanho do barco? Qual o tamanho do seu carro? O reboque constante em longas distâncias não é prático e tem riscos. Barcos grandes custam mais de R$ 1000 por mês em marinas de Parati. Tempos atrás um barco de 5 metros custava em torno de R$ 200 para manter em marinas de Itanhaém. Barcos pequenos podem ir no teto do carro. Os custos de manutenção do barco também precisam ser observados. Barco a motor convém usar regularmente porque a manutenção de motor parado pode ser cara.

5) Quantas pessoas você quer colocar a bordo?
Naut 575 para 4 pessoas dormirem (design JérômeDelaunay)
Existem projetos para uma pessoa, e outros para dezenas de pessoas. Eu pessoalmente só me interesso por projetos para duas pessoas, ou mais, assim posso sempre levar a esposa, ou um amigo. Se sua família tem 5 pessoas convém pensar em como equacionar o programa. As vezes dois barquinhos pequenos podem render animadas regatas e todos se divertem, ou então algo um pouco maior. Leve sempre em consideração os custos.

6) Qual seu orçamento?
Calcule bem sua disponibilidade mensal de caixa para ir investindo numa construção. Lembre-se que motores costumam ser mais caros do que cascos. Faz parte da construção fazer este planejamento, monte uma planilha com os custos. Faça a coisa certa. Não corra o risco do projeto inacabado.

Frota de Oz Gooose (design Michael Storer)
7) Barco grande ou pequeno?
Richard Woods escreve "monte o menor barco com o qual você ficaria feliz". Melhor um barco na mão daqui a dois meses do que um barco grande nem daqui a 10 anos. O barco pequeno é uma boa escola para barcos maiores. Todos sonham com barcos grandes, mas os pequenos tem muito valor. Um barco pequeno pode ser a diferença entre o tudo e o nada.

8) Qual o projetista? Devo buscar um projeto grátis?
Não busque projetos grátis. O projeto custa muito pouco perto do custo do barco e você tem inúmeras opções comprando os projetos. Na obsessão pelo projeto grátis o construtor fica a mercê de projetos limitados ou antiquados e sem suporte técnico e sem comunidade. Escolha um projetista reconhecido e faça parte de seu portfólio de construtores, assim você pode trocar idéias com outros colegas e valorizar seu barco como sendo de um designer famoso. Veja nosso artigo com sugestões de designers.

São mais ou menos essas as idéias. Sucesso e disciplina na obra!! Bons Ventos!!
Ricardo Ramalho



Cursos e Programas

Curso Presencial de Introdução à Construção de Barcos. Dois dias, sábado e domingo. Preço promocional de inauguração da nova sede R$ 490. Dias 10 e 11 de Março de 2018, em São Paulo, SP. No Estaleiro Oficina, Lapa. Saiba mais no link


Seu Atelier de Pintura ContemporâneaProdução requer compromisso e disciplina. Venha pintar semanalmente e religiosamente no atelier do Estaleiro Oficina sob acompanhamento do artista e curador Ricardo Ramalho. Segundas e quartas, das 19:30 as 22:00 (uma vez por semana R$ 90, duas vezes por semana R$ 160). Saiba mais no link


Coaching Comunitário Grátis - somente o custo da sala é rateado. Foco na carreira criativa. Apenas R$ 40 por mês, em grupo. Reuniões às quintas das 19:30h as 20:30, Coach Ricardo Ramalho. O que é o coaching? É uma dinâmica semanal de encontros e interlocução entre cliente e coach onde são discutidos os contextos do cliente, seus desejos e desafios. Saiba mais no link


Curso Online Particular de Construção de Barcos. Curso online, início imediato, faça este curso de qualquer lugar do mundo, ja atendemos diversos alunos neste curso, com conversas ao vivo pelo skype, e envio de apostilas em PDF. R$ 490 quatro aulas particulares, acompanhamento de projeto e estudos online. Saiba mais no link 





Cursos presenciais já realizados:

Curso Presencial de Introdução à Construção de Barcos. (JA FOI) Preço promocional de inauguração da nova sede R$ 390. Não perca o nosso último curso do ano. Dia 16 de Dezembro 2017, em São Paulo, SP. No Estaleiro Oficina, Lapa. Saiba mais no link

Curso de Introdução à Construção de Barcos Setembro 2017. Dia 16 de Setembro 2017, em São Paulo, SP (ESTE JA FOI!!). No Estaleiro Caiubi, Perdizes. Inscreva-se pelo email artistaramalho@gmail.com . Saiba mais no link!! 

Curso de Introdução à Construção de Barcos, 2016. Dia 10 de Abril 2016, em São Paulo, SP (ESTE JA FOI!!) Saiba mais no link!!

Aguarde novos cursos!! Informações e inscrições pelo email artistaramalho@gmail.com

Página em constante desenvolvimento

Seu Atelier de Pintura Contemporãnea

Imagem Wikimedia Commons, foto Pinkcool07
O que determina a realização de um artista é sua produção.

Produção requer compromisso e disciplina. Venha pintar semanalmente e religiosamente no atelier do Estaleiro Oficina sob acompanhamento do artista e curador Ricardo Ramalho.


Segundas e quartas, das 19:30 as 22:00

Preços:
1  vez por semana R$ 90
2 vezes por semana R$ 160

Vantagens:

Aulas de pintura com o autor do principal blog de consultoria de arte na internet, Ricardo Ramalho, mais de 20 anos de experiência como artista, formado na FAAP, trabalhou em museus e galerias, tem pós graduação em ação cultural, museologia e curadoria.

Bem localizado na Vila Anglo, há 10 minutos a pé do Metrô Vila Madalena
Espaço do Estaleiro Oficina

Local: Estaleiro Oficina, Rua Tomas Catunda, 7, casa 2, Vila Anglo, São Paulo

Valores acessíveis, comparáveis as mais populares academias de artes marciais.

Guarde suas telas e materiais no local, venha para o atelier sem carregar nada!

Vendemos cavaletes e telas para pintura.

Acompanhamento de conceitos e portfólios: receba orientação sobre conceitos de obras seriadas e técnicas de realização de portfólios.

Público alvo: iniciantes ou experientes artistas em busca de um espaço para produzir. Nosso foco não é aula de pintura e sim exercitar a produtividade da pintura.

Adote outras técnicas bidimensionais: você poderá também produzir obras de colagem e desenho!

Inscreva-se pelo email artistaramalho@gmail.com



Nova sede do Estaleiro Oficina

Foi inaugurada a nova sede do Estaleiro Oficina em São Paulo, Sábado dia 9 de Dezembro de 2017, com a presença de amigos, artistas, esportistas, navegantes e interessados na náutica!

O espaço multidisciplinar também vai funcionar como atelier de artes plásticas, teremos programas de construção de barcos, atividades de marcenaria e aulas de pintura contemporânea.



Na ocasião o Estaleiro abrigou a II Bienal de Pintura, de curadoria do diretor do Estaleiro, Ricardo Ramalho. Leia o texto da exposição no blog da consultoria de arte


Venha visitar nosso espaço e conversar sobre construção náutica!!


Sucesso!! Bons ventos!!! Ricardo Ramalho
Contato artistaramalho@gmail.com

.




Curso Introdução à construção de Barcos, Dezembro 2017

Ganhe confiança para escolher projetos e realizar a construção!

Alunos trabalhando no Yakyak 425 (Foto Marcelo Manfrini)
Vaje o álbum de nosso último curso https://www.facebook.com/estaleirooficina/posts/859646484196087

Aprenda os fundamentos para construção de barcos. Vamos vivenciar a construção de um sofisticado caiaque de compensado naval, leitura de plantas, uso de resina epoxi e reforços em fibra de vidro.

Sábado dia 16 de Dezembro de 2017

Das 10h às 17 horas

Inscreva-se pelo email artistaramalho@gmail.com

Local: Estaleiro Estaleiro Oficina 

rua Dr Tomas Catunda, 7, casa 2 ,  CEP 05029-10

Acompanhe a montagem avançada do primeiro protótipo do caiaque a vela e remos Yakyak 425, projetado por Jérôme DelauneySaiba mais sobre este barco na página do modelo.


Fairhaven Flyer, 20', Devlin Design
Estudaremos vários outros projetos de barcos e suas técnicas. Catamarans grandes e pequenos, Multichine 28, Nauti 575, Jonsboat, Dingue Andorinha, Houseboats.

Os alunos vão receber 4 apostilas que totalizam 8 páginas de material elaborado pelo professor do curso:
 - Apostila: 20 Projetistas e Mais de 35 Links para Construção de Barcos.
- Apostila: Uso do Epoxi e Materiais Estruturantes
- Apostila: Equipamentos e Ferramentas para Construção de Barcos
- Apostila: Dicas e Passo a Passo para Construção de Barcos

Nosso nutshell Pram, da Wooden Boat Store

8 horas de curso: 2 horas online com estudo de materiais por escrito e links e 6 horas presenciais no bairro Vila Anglo (Alto da Lapa, próximo ao Metro Vila Madalena), SP.


Objetivos do curso
- Vivenciar a montagem de um caiaque complexo, modelo "sit on top" Yakyak 425 (modelo aberto de sentar por cima, insubmersível).
- Estudar a construção do Nutshel Pram.
- Estudar a construção do caiaque Laker.  
- Estudar as plantas e vantagens do projeto Nauti 575, nosso próximo barco! Projeto sendo comercializado por nós, veja o link!

- Restauro de embarcações de madeira.
Yakyak 425 caiaque para 2 pessoas
- Transmitir conhecimentos básicos sobre design de barcos.
- Uso de diversos equipamentos de marcenaria: plaina elétrica, serra circular, lixadeira roto-orbital, multi-ferramenta, lixadeira politriz, serra tico-tico. 
- Analisar diversas plantas originais de barcos e sistemas de construção.
- Considerações sobre a escolha do seu futuro barco.
- Demonstrar uso de resinas epoxi, marcação de chapas, fixação de peças, espessantes do epoxi e uso da fibra de vidro, lixa, maquinários e equipamentos de segurança.



Barcos pequenos saem pela janela :)


Investimento: valor promocional de inauguração da nova sede
R$ 390. Por depósito bancário, Itau ag 0745, conta 37861-2

Realização:
Estaleiro Oficina





Professor:
Ricardo Ramalho
artista plástico, navegador e construtor

Vamos bater altos papos sobre projetos de barcos!
Inscrições pelo email artistaramalho@gmail.com


Sequência de montagem do Yakyak 425

Coaching Comunitário Grátis - somente o custo da sala é rateado

O Coach das artes!

Caso você queria se lançar a um projeto,  carreira artística ou ampliar seus horizontes nas indústrias criativas, o coaching é o processo semanal que vai colaborar com seu avanço constante.

Participe de duas reuniões sem pagar nada.

Para se inscrever são apenas R$ 40 por mês, para cobrir o custo da sala, coaching em grupo.
Reuniões às quintas das 19:30h as 20:30
Coach Ricardo Ramalho

Local: Estaleiro Estaleiro Oficina 
rua Dr Tomas Catunda, 7, casa 2, Vila Anglo
(próximo à Rua Heitor Penteado e Metro Vila Madalena)


Duas noções iniciais sobre o coaching:


1) Coaching é para quem precisa de coaching.
2) No coaching a gente trabalha com alegria, escuta, fala e compreende o suficiente, mas não é terapia, é para gentilmente apresentar avanços "em cima da mesa".

Oferecemos um programa de coaching em grupo onde os participantes poderão discutir e colaborar mutuamente, com o acompanhamento de Ricardo Ramalho, empreendedor, consultor de arte, e artista formado em Educação Artística e em cursos livres de coaching, empreendedorismo, consultoria de processos, dentre muitos outros.

O que é o coaching?
É uma dinâmica semanal de encontros e interlocução entre cliente e coach onde são discutidos os contextos do cliente, seus desejos e desafios. Ao longo das sessões são definidas estratégias e linhas de ação para serem implantadas durante a semana. Nos encontros seguintes os avanços são avaliados e novos objetivos são traçados. O coaching pretente beneficiar a vida do cliente de forma abrangente, indo além de questões muito específicas.

Coach RR
Por que coaching em grupo?
O coaching em grupo tem duas vantagens importantes: é muito mais acessível e permite uma rica troca de experiências entre os participantes.

O que seria o Coaching Comunitário?
É um coaching gratuito, oferecido à comunidade como forma de exercitar a responsabilidade social. A única cobrança é o custo de aluguel da sala, compartilhado pelos participantes, a um preço muito baixo. A supervisão do processo de coaching é grátis. A contabilidade do Coaching Comunitário é aberta, havendo sobra de dinheiro em caixa a destinação é definida em assembléia, podendo ser doado a uma instituição, ou realizadas ações comunitárias, ou até mesmo gasto em uma confraternização do próprio grupo.

Qual o custo?
Propomos inicialmente R$ 40 reais por pessoa, por mês (4 sessões). Este valor pretende pagar o custo de aluguel da sala por hora que é de R$ 200 por mês. Cinco participantes conseguem arcar com este valor. Havendo um número menor de inscritos o Estaleiro Oficina vai cobrir o custo faltante. Havendo um número maior o dinheiro vai para um fundo administrado pelos participantes.

Inscreva-se pelo email artistaramalho@gmail.com
Obrigado!! Sucesso!!!!



O restauro de um iate de 75 pés

No começo de novembro fui chamado para ajudar a restaurar o mobiliário de um iate enorme de 75 pés, em Parati. O barco tinha 6 camarotes e três decks. O serviço estava a cargo da restauradora e pintora francesa Sophie Fakhouri que ja estava trabalhando havia um mês. Minha colaboração foi de apenas 7 dias. Foi muito interessante passar estes dias no barco. Embora estivéssemos coberto de pó de serragem e usando máscara o dia todo, pude olhar mais de perto a casa de máquinas, sistemas, o layout do barco e passar mais um tempo nas rotinas de uma marina.

Nossa missão era remover o verniz de alguns móveis que apresentavam manchas e renovar o verniz. O mobiliário tinha 8 anos e as manchas sinalizavam a deterioração do verniz.

Foi um serviço muito difícil por vários motivos. A superfície dos móveis não eram de compensado naval, nem de madeira maciça, e sim revestidas de finas folhas de madeira. Conforme íamos lixando os móveis, com a lixadeira roto-orbital, em alguns momentos quando o verniz acabava também acabava a folha de madeira, nestes casos chegávamos eventualmente no miolo da madeira clara do móvel. Tivemos que lixar tudo com muito cuidado e devagar. Sophie como é pintora profissional fazia o restauro da coloração da madeira nestes pontos que revelavam a madeira de fundo.


Outra dificuldade é a proliferação de superfícies acolchoadas em todo o barco, estofos de courvin e detalhes em tecido que impediam o uso do soprador térmico e raspador. O soprador é uma técnica muito eficaz de remoção de verniz, mas poderia queimar os tecidos vizinhos.

O grande aprendizado foi perceber a diferença entre madeira laminada e madeira folheada. A laminada é como o compensado naval, formada por camadas cruzadas de lâminas que variam de 1 a 3 milímetros. Ja a madeira folheada tem um revestimento de apenas meio milímetro de espessura (repito: meio milímetro). Por essa razão não recomendamos madeiras folheadas em barcos, apenas madeiras maciças ou
compensando naval. Mesmo que os móveis do barco fossem muito bem acabados e bonitos, para quem gosta do estilo, outro problema deste tipo de revestimento, além da dificuldade de manutenção é sua pouca durabilidade. Os revestimentos folhados de todas as dez portas apresentavam rachaduras a partir das maçanetas que tiveram de ser restauradas com epoxi. A pouca durabilidade também poderá vir a ser sentida caso uma onda entre pela popa do barco e inunde o deck principal, situação que vai provocar a perda de todo o mobiliário: situação que torcemos para que nunca aconteça. Os veleiros, pela natureza mais esportiva, tem suas cabines feitas de madeira maciça, compensado naval e epoxi, o que garante uma boa durabilidade mesmo em condições molhadas de navegação e inundações.

O iate que restauramos é uma opção de luxo para quem curte sociabilizar na água e fazer rápidos passeios, visto que ele é muito veloz para o seu tamanho. Não é exatamente um barco para longos cruzeiros por causa do consumo de combustível de seus motores muito potentes, mas sem dúvida encara boas navegações costeiras sob condições metereológicas adequadas.

Podem contar com o Estaleiro Oficina para reformas de barcos :)
Contato artistaramalho@gmail.com.br
Bons ventos!!! Ricardo Ramalho

O restauro do barco Metralha de 1940

Verificação da simetria para reforço estrutural.
Estamos orgulhosamente restaurando uma relíquia de 1940, a baleeira de competição da família do remador Henrique Righetto Jr. O barco fica no Clube Campineiro de Regatas e Natação, no bairro de Souzas em Campinas, à margem do Rio Atibaia. Este clube centenário tem uma frota de dezenas de ioles a remo e baleeiras antigas.

Por tradição todos os barcos recebem generosas camadas de verniz, como único produto impermeabilizante. O verniz não tem o mesmo poder de impregnação e a resistência estrutural do epoxi por isso nosso trabalho consiste em remover todo o verniz do barco e atualizar a proteção da madeira para o sistema bicomponente Araldite Huntsman Epoxi GY 250 e endurecedor Aradur 2963 proporção 100 partes de epoxi para 45 de endurecedor conforme determina o fabricante. Utilizamos esta combinação para fabricar barcos.
Navegando outrora

Diversas partes do barcos estão sendo coladas novamente, reforços estruturais estão sendo feitos e novas peças serão reparadas ou substituídas. A lista de afazeres e grande... e aspectos imprevistos vão aparecendo.

É um desafio e tanto, a remoção de todo o verniz é bastante trabalhosa, e como o barco é de competição sua estrutura é bastante leve e até frágil. É um barco de alta performance dos anos 40. Baleeira é apenas o modelo, não é naturalmente para caçar baleias, não é projetada para apavorar no mar, e sim para vencer nas raias :)

Serviço lento que por vezes lembra trabalho de dentista
O barco tem dois remos enormes de 3 metros de comprimento, e o remador fica de costas sentado num carrinho como nos barcos de velocidade. Quando os remos são puxados até o peito os braços se cruzam! É um trabalho bonito de resgate e recuperação da história da família e da arte náutica. Estamos tomando o cuidado para manter a originalidade do barco. No fundo será laminada uma camada de fibra de vidro que vai ficar transparente e vai dar mais integridade estrutural e proteger o fundo de pedras e abrasão.

O barco usa a técnica construtiva tradicional lapstrake, que consiste na montagem do casco com ripas sobrepostas, formando pequenos degraus por fora do casco. A sobreposição das ripas cria os pontos de ancoragem das próprias ripas e a sobreposição aumenta a espessura naquelas linhas, funcionando como longarinas. O Metralha usa chapinhas de madeira maciça, não é compensado, e são bastante finas, com aproximadamente 4 milímetros de espessura.Todo o costado é rebitado.
Casco por fora ja sem verniz: técnica construtiva lapstrake

Estamos fazendo um belo álbum de fotos que será compartilhado na página do Estaleiro Oficina no Facebook. Em breve será novamente lançado na água!

Certamente publicaremos outros artigos sobre este restauro. Tem assunto que não acaba mais.

Para mais informações sobre restauros e construção de barcos contate artistaramalho@gmail.com

Bons ventos e boas remadas!! Ricardo Ramalho



Curso Introdução à Construção de Barcos, Setembro 2017

Ganhe confiança para escolher projetos e realizar a construção!

Aprenda os fundamentos para construção de barcos. Vamos vivenciar a construção de um sofisticado caiaque de compensado naval, leitura de plantas, uso de resina epoxi e reforços em fibra de vidro.
NOVA DATA:
Sábado, 16 de Setembro, 2017
das 9 às 18 horas (com uma hora de almoço)

Inscreva-se pelo email artistaramalho@gmail.com

Local: Estaleiro Caiubi
Rua Caiubi, 820 – Perdizes
Travessa próxima à Avenida Sumaré
São Paulo - SP

Acompanhe a montagem avançada do primeiro protótipo do caiaque a vela e remos Yakyak 425, projetado por Jérôme Delauney. Saiba mais sobre este barco na página do modelo.


Fairhaven Flyer, 20', Devlin Design
Estudaremos vários outros projetos de barcos e suas técnicas. Catamarans grandes e pequenos, Multichine 28, Nauti 575, Jonsboat, Dingue Andorinha, Houseboats.

Os alunos vão receber 4 apostilas que totalizam 8 páginas de material elaborado pelo professor do curso:
 - Apostila: 20 Projetistas e Mais de 35 Links para Construção de Barcos.
- Apostila: Uso do Epoxi e Materiais Estruturantes
- Apostila: Equipamentos e Ferramentas para Construção de Barcos
- Apostila: Dicas e Passo a Passo para Construção de Barcos

Nosso nutshell Pram, da Wooden Boat Store

10 horas de curso: 2 horas online com estudo de materiais por escrito e links e 8 horas presenciais no bairro Perdizes, SP.


Objetivos do curso
- Vivenciar a montagem de um caiaque complexo, modelo "sit on top" Yakyak 425 (modelo aberto de sentar por cima, insubmersível).
- Estudar a construção do Nutshel Pram.
- Estudar a construção do caiaque Laker. 
- Estudar as plantas e vantagens do projeto Nauti 575, nosso próximo barco! Projeto sendo comercializado por nós, veja o link!
Yakyak 425 caiaque para 2 pessoas
- Transmitir conhecimentos básicos sobre design de barcos.
- Uso de diversos equipamentos de marcenaria: plaina elétrica, serra circular, lixadeira roto-orbital, multi-ferramenta, lixadeira politriz, serra tico-tico.
- Analisar diversas plantas originais de barcos e sistemas de construção.
- Considerações sobre a escolha do seu futuro barco.
- Demonstrar uso de resinas epoxi, marcação de chapas, fixação de peças, espessantes do epoxi e uso da fibra de vidro, lixa, maquinários e equipamentos de segurança.

Cronograma do curso: 

A partir do Dia 7 de Agosto, 2017, incrição
- Acesso dos alunos aos conteúdos por escrito do curso enviados por email.

Dia 16 de Setembro 2017
- Parte prática do curso. Das 9 às 18 horas (com uma hora de almoço). 

Local: Estaleiro Caiubi
Rua Caiubi, 820 – Perdizes
Travessa próxima à Avenida Sumaré
São Paulo - SP
Barcos pequenos saem pela janela :)


Investimento: R$ 490. Por depósito bancário, Itau ag 0745, conta 37861-2
Ou pague com cartão pelo sistema seguro PayPal clicando abaixo!




Realização:
Estaleiro Oficina

Parceria:
Estaleiro Caiubi

Professor:
Ricardo Ramalho
artista plástico, navegador e construtor

Vamos bater altos papos sobre projetos de barcos!
Inscrições pelo email artistaramalho@gmail.com
Sequência de montagem do Yakyak 425

Construção de barcos requer superação psicológica

Fairhaven Flyer em construção, Devlin design. 
A construção amadora de embarcações é uma atividade romântica, nobre e estimulante. Romântica porque no processo construtivo, enquanto lixamos e colamos madeira, imaginamos as aventuras inesquecíveis que faremos com nossos familiares e amigos. Nobre porque é um trabalho, uma cultura, demanda estudo, dedicação, esforço, organização e investimento. Estimulante porque com o barco podemos ir a muitos lugares, podemos proporcionar momentos agradáveis, fazer transportes, explorações, prestar serviços, aprender e enriquecer, se não financeiramente, espiritualmente.

Entretanto tirar o sonho da gaveta exige mais do que vontade.  
Assim como um artista pinta quadros e faz exposições sem pedir licença, só depende do construtor fazer sua obra acontecer. Construção de barcos é sem dúvida uma "arte aplicada" e exige realização. Não existe dentista sem consultório, não existe artista sem atelier, e não existe construtor sem oficina. Ninguém vai implorar para que você construa um barco, assim como ninguém implora para que um escultor faça uma escultura. Cada um faz o que tem que fazer e apresenta seu trabalho para a sociedade. Eventualmente os advogados, médicos, administradores e engenheiros podem ser implorados para que resolvam algo que alguém traga, mas nas indústrias criativas é a pessoa criativa que se projeta para o público, é o criativo que propõe uma ação ou objeto para o bem comum. Mas qual a relevância do trabalho criativo? Sem ele você não usaria uma bela roupa desenhada por um estilista, não poderia ter móveis bonitos desenhados por um bom marceneiro, nem seu telefone seria tão poderoso sem a vontade de desenvolver pesquisas tecnológicas e seu relógio não seria tão vistoso sem um designer. Sem um trabalho criativo não haveriam as micro cervejarias nem os restaurantes diferentes de onde procuramos fugir do prato feito de todos os dias. Sem criatividade não haveriam invenções nenhumas.

Obra de Ricardo Ramalho com frase bíblica, 2002
Aí é que mora a principal dificuldade na construção de barcos: a barreira psicológica, que dificulta a quebra da rotina. Esqueça a dúvida sobre qual projeto comprar, esqueça a suposta falta de dinheiro e tempo, o que pode travar mesmo a realização é a superação emocional, o permitir-se. No dia a dia, enquanto suamos no ganha pão, pagamos contas e damos atenção à família e amigos pode sobrar pouco tempo para um hobby ou uma realização pessoal. Urgente é reparar uma torneira pingando, enviar um orçamento, pregar um botão na camisa. Nunca haverá urgência na construção de barcos, a menos que o construtor perceba que é urgente. Da mesma forma somente os artistas que percebem a urgência e seriedade de sua produção é que se tornam reconhecidos e prósperos. Dedicar uma parte do seu tempo para um projeto pessoal não é para qualquer um. Os artistas, músicos, arquitetos e escritores podem estar mais preparados para essa disciplina, e mesmo para eles é difícil. Mais complicado ainda é para trabalhadores de grandes corporações, acostumados a serem levados pelo entorno de equipes numerosas, pelos compromissos que aparecem nos e-mails, instruções e telefonemas. É preciso ter o espírito empreendedor para construir um barco, como os profissionais autônomos que fazem nome e se projetam com suas iniciativas pessoais.

Busque os meios para fazer seus projetos acontecerem, organize uma rotina pelo menos uma vez por semana para este efeito, busque o sentido da vida para além das contas pagas, brilhe na vida pessoal, e quem sabe assim poderá ir além do essencial, poderá arcar com contas do barco e outros interessantes investimentos que você merece desfrutar.

Sucesso, boas obras, Ricardo Ramalho


Pirataria forte no Brasil e a questão das armas a bordo

Chinese pirate boats attacking a merchant ship, circa 1800s.
Que tal explorar o Rio Solimões? Pense duas vêzes. Jornal da Record ontem 13/3/2017 fez uma reportagem atual sobre o problema da pirataria. Barcos de cargas, balsa e barcos de passageiros são assaltados, e até barcos de traficantes são atacados for piratas fortemente armados para roubar a carga. O Estadão também tem notícias de assalto no Solimões desde 2011. Faça uma busca no google notícias sobre o tema e fique chocado. Barcos pequenos não saem do cais a noite. Em 2001 o explorador Peter Blake foi morto por piratas no Rio Amazonas. Este é um problema muito grave no Brasil, que não se restringe somente ao Norte. A bahia de Paraty, Angra e Ubatuba também tem relatos de assalto a barcos ancorados. Ninguém dorme nas enseadas. Somente em marinas.

No livro Pirates Aboard, de Klaus Hympendahl, ele faz uma compilação de vários casos pelo mundo e tem o mapa da pirataria internacional onde o Brasil tem seu lugar. Pirataria não é só na Somália. Outro país vizinho citado no livro é a Venezuela.

No contexto da informática o termo pirataria se tornou até fofo, com as cópias de filmes em DVD, jogos e softwares falsificados tão comuns no Brasil (abrindo um parênteses, os brasileiros têm mania de software pirata, e pouco se informam sobre as opções de software livre que existem, como Open Office, Gimp, Linux dentre outros), mas a pirataria violenta em barcos corre solta em 2017. 

Armas a bordo resolvem? Para os traficantes do Solimões não está resolvendo. O tema de armas a bordo é uma das maiores polêmicas da náutica de cruzeiro. O livro Pirates Aboard tem um capítulo sobre o tema, e diversos livros de viajantes abordam a questão. Alguns dizem que uma arma é essencial. Outros dizem que a arma pode expor o dono do barco a situação de maior risco, sem arma a tripulação pode ter uma atitude mais apaziguadora, com arma podem querer enfrentar. Há quem dia que apenas mostrar a arma é suficiente para espantar piratas. Mais uma vez... no Solimões mostrar arma não está resolvendo. O caso de Peter Blake é um exemplo de enfrentamento que não deu certo, e sua arma falhou. Os percursos precisam ser muito bem planejados para correr menor risco. Certos países exigem que as armas sejam declaradas na chegada e fiquem trancadas à bordo. Outros pedem que as armas sejam entregues às autoridades enquanto o barco estiver atracado. Uma coisa é certa, no mar e na Amazônia podemos dizer "estamos na roça".

O objetivo deste post não é desanimar os amantes de barcos, mas salientar que temos muito o que fazer para desenvolver a cultura náutica brasileira. É trabalho de todos os interessados divulgar a náutica, realizar seus projetos, fortalecer a comunidade, se organizar e sensibilizar os governos para uma política séria do setor. Abra o seu caminho com responsabilidade, amor e atenção.

Bons ventos, 
Ricardo Ramalho
Estaleiro Oficina